A importância da não-utilização de acessórios de natação para adaptação de crianças ao meio aquático.

without comments

Fugindo um pouco do público-alvo do blog, mas não fugindo tanto assim, fui solicitado à escrever sobre a importância da não-utilização de acessórios de natação (touca e óculos) na adaptação de crianças ao ambiente aquático.

Aproveitando que tenho o blog e muitos dos meus leitores são pais já, essas informações podem ajudar de alguma forma a entender os porquês da adaptação com sucesso ou não de seu filho na escola de natação. Existe ‘N’ fatores, óbvio, porém foi designado à mim dar explicações plausíveis para os acessórios.

Trabalho no ensino infantil (natação) com a faixa etária de 1 a 5 anos. Tenho que adaptar frequentemente crianças dessa faixa etária durante todo o ano letivo, portanto, nossas estratégias de adaptações vão de aulas lúdicas até técnicas da modalidade ‘diluídas’ em conteúdo não tecnicista. Nosso papel como educador físico é respeitar as fases de aprendizagem motora e psíquica das faixas etárias dentro d’água.

Em relação às atividades aquáticas, muitas crianças iniciam as aulas vestindo touca de algodão (ou silicone) e óculos, porém, é aconselhável que esses acessórios sejam introduzidos às práticas esportivas aquáticas após o período de adaptação de cada criança. Ou seja, é necessário que as crianças vivenciem o período de descobertas relacionadas à imersão, por exemplo. A criança poderá estimular a sensibilidade motora e psíquica que o contato do corpo com a água proporciona. Se uma criança apenas mergulhar utilizando óculos, ela não o fará quando não estiver usando os óculos, neste caso em uma possível experiência em piscina sem acessórios causará aversão à água por parte da criança.

Se a criança se adaptar ao ambiente aquático realizando imersões sem touca e óculos, ela estará apta a ser auto-suficiente para livrar-se de possíveis situações problema com maior facilidade que as demais que somente utilizam estes materiais. Neste aspecto é importante frisar a utilização das bóias de braço que a maior porcentagem de pais estimulam suas crianças a utilizarem nas piscinas de suas casas. A bóia de braço limita movimentos importantes para o aprendizado da flutuabilidade e locomoção dentro da água. Torna-se então um “vilão” ao invés de uma proteção à vida da criança. Temos uma afirmação dentro de nós de que este material salvará a vida de uma criança em uma situação de risco extrema, sendo que na verdade a criança não terá autonomia suficiente para manter-se em decúbito dorsal (flutuando de costas) e evitar beber água até ser resgatada.

Uma abordagem complexa, claro, mas que exige de sua atenção como pai e responsável pela vida de seu(sua) filho(a). Procure conversar mais com os professores de educação física da escola de natação onde seu filho está e tenha um feedback periódico de seu desempenho dentro d’água e de como é possível evitar afogamentos nas horas de lazer ou longe de sua supervisão. Faça com que seu filho seja estimulado o suficiente para ser auto-suficiente dentro da piscina.


Written by Felippe Maranhao

April 22nd, 2014 at 10:50 am

Posted in Natação,Saúde

Hoje tem a Maratona de Boston ao vivo na tv. #BostonMarathon

without comments

Hoje às 10h30min (Brasília) será televisionado a Maratona de Boston, nos EUA. Essa é a corrida de longa distância mais famosa e tradicional do mundo. É a segunda maratona mais antiga do mundo (desde 1897) apenas atrás de Atenas, disputada em 1896.

Vamos torcer por todos os brasileiros que lá estão agora prestes a largar e percorrer todos os 42,195k entre as ruas das cidades de Hopkinton e Boston, Massachussets, Estados Unidos. A prova será televisionada aqui no Brasil pela Band Sports no canal fechado.

_______________________________________________________________________

Você lembra disso?

Na edição de 2013, a Maratona de Boston foi marcada pela tragédia durante a prova. Houve um atentado terrorista causado por estudantes europeu. Conforme a polícia norte-americana, os estudantes foram os responsáveis por colocar uma bomba caseira em uma mochila na platéia perto da linha de chegada e outra bomba dentro de um museu de artes nos quarteirões arredores. As duas bombas mataram 3 pessoas e feriram 170 aproximadamente.

Se as imagens já eram fortes para quem assistia pela televisão, imagina para quem estava no local, principalmente para quem era vítima ou familiar. As ruas ficaram cobertas e sangue. Durante todo o resto do ano de 2013 e no início deste ano a organização da Maratona de Boston ergueu a bandeira com o slogan: #BostonStrong.


Written by Felippe Maranhao

April 21st, 2014 at 9:00 am

Posted in Corrida

Bermuda de compressão Flets.

without comments

Sempre que aprimoramos o nosso desempenho físico aprimoramos também os equipamentos para as corridas. A bermuda Flets é uma bermuda de compressão utilizada nas competições de triatlo, porém, cada vez mais é possível ver corredores não-triatletas utilizando-as nos treinos.

Ela tem algumas vantagens como rápida secagem (por causa do triatlo) e nem precisa ser passada após a lavagem. É bastante confortável para utilizar nos treinamentos de corrida, ciclismo e natação, portanto, é um ganho de 3 modalidades para um único equipamento –  aí então está a vantagem de adquiri-la porque você não precisa de duas diferentes bermudas para correr e pedalar, por exemplo. É uma economia de dinheiro caso você treine bastante essas modalidades e não queira ficar gastando com roupas específicas para cada modalidade.

Outra vantagem também é que como ela é de compressão, há um bolso na parte de trás que se colocar ou celular ou music player, o aparelho ficará bem seguro e não incomodará durante a corrida ou ciclismo. Parece bobeira quando eu falo aqui, mas já tentou correr com algo no bolso de uma bermuda tactel? É um incômodo que dá até vontade de não correr!

Para outros casos ainda a bermuda não tem a incômoda ‘redinha’ que as bermudas tactel geralmente têm, evitando assim irritações na pele na região da virilha. Vale a pena ter pelo menos uma desse modelo para os treinamentos mais longos e até melhorar a performance em provas.


Written by Felippe Maranhao

April 20th, 2014 at 8:24 pm

Trilha Sonora do Mês: Maybeshewill – He Films The Clouds, Part 2.

without comments

Fazia tempo que eu não atualizava a trilha sonora do mês, que na verdade era praticamente a trilha sonora do ano!!! Esse curta metragem estava assistindo no Canal Off e pirei no som logo de cara. Toda a vez que escuto uma música penso se ela é boa ou não para colocar no meu setlist para dar um upgrade nos treinos, e essa música caiu como uma luva para meu player.

É a história de um cara que foi surfista profissional e teve vários problemas graves durante sua carreira, curta emocionante, mas o que torna o filme mais legal mesmo é o toque final: a última música. É de uma banda chamada Maybeshewill e creio que o som chama-se “He Films The Clouds, Part 2″. Pelo menos foi esse o nome que eu encontrei no YouTube depois de rastreá-la no Shazam.

Dá uma olhada no filme abaixo e veja o cara surfando em água doce, nas corredeiras que culminam em uma cachoeira. Veja o filme e coloque no player. Não tem como não se empolgar e puxar o ritmo enquanto escutá-la durante o treino de corrida ou de bike. Awesome!!!



Written by Felippe Maranhao

April 16th, 2014 at 10:43 pm

Posted in PR Soundtracks

O Ibirapuera não é resumido apenas no percurso de 3k em volta do lago!

without comments

Mapa retirado do site do Parque do Ibirapuera

Eu estava mexendo nos arquivos da PR e encontrei esse mapa que utilizava para nortear os alunos do ponto de encontro dos treinamentos no Ibirapuera. Na verdade quero mostrar a diversidade de pistas e percursos que podem ser feitos no mesmo local.

É por isso que eu gosto de treinar e trabalhar no Ibira, porque sempre podemos fazer um novo percurso com diferentes finalidades para os treinamentos. O percurso convencional é o de 3k que está em rosa no mapa (assim como pode observar na legenda), mas nem sempre ficar nesses 3k é o melhor para otimizar a performance. Se você usa um GPS e não tem problemas de ter que ficar sempre no mesmo percurso para contar a quilometragem rodada, arrisque ir correr no parque sem destino previsto. Tente simplesmente começar a sessão de treinamento correndo e mudando o percurso ao longo da sessão de treinamento, dessa forma, o treino será mais atrativo dia-a-dia.

Eu procuro sempre mudar de direção e até mesmo terreno para não cair na rotina. É possível observar que há uma trilha ao redor de todo o parque somando 6.5k, então em poucas voltas você terá um volume de treinamento grande e com terreno irregular (não muito vai, mas já é possível sair do asfalto). Isso se somado ao grande volume de treino exigirá um pouco mais de sua resistência física.

Mas fique sempre atento para não terminar o percurso no lado oposto de onde estacionou o carro, senão será um “parto” andar quase todo o parque para chegar ao carro. Neste caso, dependendo do que pretende para o treino do dia, escolha o portão mais perto de onde você imagina chegar.


Written by Felippe Maranhao

April 16th, 2014 at 10:20 pm

Adaptações para realizar prova: Treinamentos e Aclimatação.

without comments

Eu sou a minha própria cobaia! Começarei a realizar a aclimatação para a Meia Maratona do Rio em Agosto, portanto, os treinamentos também serão realizados durante o dia em sol à pino. Essa não é a primeira adaptação que realizarei para a prova, porque já comecei a fazer diferentes tipos de treinamentos para esta prova de Agosto e, não esquecendo, a prova que farei em Maio que é Trail.

Dos treinamentos:

Recomendo que realizem treinamentos de média e longas distâncias. Procuro realizar os treinos longos às segundas feiras e as de média distância às quintas. Para os treinamentos de longa distância tenho 1 semana inteira de descanso para puxar denovo, levando em consideração que os treinos de média distância que realizo nas quintas é leve o suficiente para caracterizá-lo como recuperativo – é mais um acompanhamento dos meus alunos iniciantes nos treinos deles, dessa forma uno o útil ao agradável.

Tive um progresso considerável desde a minha volta este ano às corridas, e vejo no meu histórico um aumento de 1 a 3 km por semana. Não sinto incômodo algum com nenhuma articulação do corpo, como joelhos ou tornozelos, sem falar que não sinto dores de coluna lombar também. Uso um único tênis para os treinos (tênis comprado só para esta finalidade) e as adaptações fisiológicas (respirações) estão cada vez mais confortáveis nos momentos ‘críticos’ do treinamento.

Da aclimatação:

Agora chegou a hora de ir pro tudo ou nada na fase de treinamentos. Vou deixar de treinar 2 vezes na semana e treinar 1 na semana e 1 no final de semana. A do final de semana será de média distância no início do ciclo de treinamento e os longos na semana à noite. No decorrer do tempo, vou nivelando o volume e intensidade dos 2 treinos até que eu consiga inverter os papéis e aumentar o volume no final de semana e fazer o treino de média distância no meio da semana, fazendo assim com que o treino de recuperação seja à noite. Vou fazer uma grande adaptação do meu organismo nos horários similares à Meia Maratona do Rio.


Written by Felippe Maranhao

April 15th, 2014 at 10:48 pm

Overtraining: Por que devemos ter cuidado no volume de treino na adaptação em corrida?

without comments

Olha eu aqui falando denovo sobre Overtraining…

Muitos podem achar que o Overtraining está relacionado somente aos atletas de ponta, digo, quem treina há anos e tem um volume de treinamento excessivo ao ponto de prejudicar sua saúde. Engana-se quem pensa que isso não acontece para iniciantes, e digo mais, é o que mais acontece. O problema é que os iniciantes se empolgam com a perda de calorias muito rápida e esquecem de proteger seu corpo dos malefícios que o alto volume de treino pode acarretar em sua vida de corredor (curta vida de corredor pra falar a verdade).

Quando o problema é o sobrepeso, temos que proteger nossas articulações fortalecendo-as e dando o descanso necessário para que nosso organismo esteja apto novamente a uma nova sessão de treinamento. Existe problemas fisiológicos também relacionados ao Overtraining, portanto, sintomas específicos podem aparecer como febre, náuseas, etc; relacionados ao sobretreinamento. O meu grande problema na carreira (e o que mais me deixa chateado) é não respeitar os limites do corpo de cada indivíduo.

Uma vez até fiz um documento na academia me isentando de responsabilidade por uma aluna não respeitar os descansos entre sessões de treinamento, então após alertá-la sobre os graves problemas que ela poderia acarretar, percebi que não seria respeitado pela mesma e me retirei nas abordagens dos treinos para não levar a culpa de lesões por excesso de treinamentos da mesma.

Mais uma vez venho alertá-los aqui que isso é um assunto muito sério e deve ser devidamente orientado pelo profissional de Educação Física: não sobrecarregue seus treinamentos por empolgação!

Eu sei que é muito legal ver os resultados aparecendo e o ganho de condicionamento físico progressivo, mas seu corpo precisa de descanso!!! Por favor iniciante, “segure a onda” e tenha uma longa vida como corredor.


Written by Felippe Maranhao

April 14th, 2014 at 11:41 am

Meia Maratona Internacional do Rio – Aclimatação: corra nos horários similares ao da prova durante os treinos.

without comments

Antes de ontem fiz minha inscrição para a Meia Maratona Internacional do Rio que acontecerá no dia 31 de Agosto – coincidentemente no dia do meu aniversário. Nunca corri uma meia maratona antes, então resolvi me presentear com essa prova. Mas não será um presente muito agradável se eu não treinar e não me adaptar às condições adversas que a meia do Rio de Janeiro proporciona.

Conversando com um amigo e companheiro de profissão, o grande problema da meia maratona do Rio de Janeiro é o calor extremo. O evento acontece quase sempre debaixo de um sol intenso e temperatura que beira seus 35º C, conforme histórico da prova. Esse mesmo amigo me disse que seu pai correu 5 vezes a prova e, em todas elas, esse calor infernal.

Então discutimos que não adianta muito treinar pesado para a prova só durante a noite, por exemplo. “É necessário a aclimatação”, conforme relatos dos experientes participantes da prova. Os treinos devem ser alternados entre dias e noites, realizando assim treinos no sol das 9h da manhã (provavelmente nos finais de semana para muitos) e durante à noite, como de costume para outros.

O cara pode estar muito bem treinado, mas chegando no dia da prova sempre atrasam um pouco por causa da rede Globo que transmite a largada ao vivo no Esporte Espetacular, ou seja, quando tudo já parece ruim, a Globo piora ainda mais retardando a largada e largando no pior horário possível.

Neste caso meu caro amigo meio maratonista, arranje um jeito de correr de manhã!


Written by Felippe Maranhao

April 11th, 2014 at 1:38 pm

Posted in Corrida

Algumas dicas para iniciantes de corrida de rua.

without comments

Eu peguei essa imagem da net sobre postura durante a corrida, mas na verdade eu vou citar algumas outras coisas muito mais importantes para o iniciante em corrida de rua. Lógico que a postura deve ser policiada, faz parte e evita desconfortos nos treinos, mas para o iniciante existe um ponto muito mais importante: controlar a intensidade da corrida.

Assim como fui iniciante um dia e me lembro bem, a gente se empolga e acha que já é um maratonista nato e que já conseguiremos correr 10k fácil…

…mas não é bem assim que acontece na realidade e percebemos logo de cara. Os músculos estão fracos, o fôlego não existe, blá, blá, blá… Durante 7 anos trabalhando nas academias de São Paulo vi muita gente subir numa esteira e em menos de 1 semana desistir por achar que nunca conseguiria realizar um treino de 5 minutos contínuo de corrida, porém, nesses muitos casos que vi desistentes, percebi que em todos eles houve uma abordagem errônea nos treinamentos de adaptação em corrida e musculação, afinal, musculação está diretamente relacionada à prevenção de lesões em corridas (se um programa de treinamento de musculação não “casar” com o de corrida, prejudicará no período de descanso adequado e o indivíduo estará sempre “fadigado” quando subir na esteira ou ir pra rua).

Tenho dito para meus alunos iniciantes que o principal é controlar a intensidade dos treinos de adaptação. Ao invés de correr como se fosse um velocista e “queimar a largada”, priorize sua zona de conforto e tire o pé do acelerador. Comece fazendo uma caminhada rápida, quase um trote. Não se importe com que os outros vão pensar e sim com o seu progresso e o seu bem-estar por longa data. Dos meus treinamentos base, todos percebem que se fizer 10 tiros de 2min correndo por 1 minuto caminhando com intensidade média para alta (de acordo com o nível de cada indivíduo), ele não completará os 10 tiros – FATO!

Diminuindo a intensidade e fazendo o mesmo treino, o aluno conseguirá completar os 10 tiros e ainda terá fôlego e perna pra fazer mais algum ou alguns tiros. Eu ainda não o permito fazê-lo para poupar energia e evitar qualquer tipo de desconforto muscular ou articular, portanto, não é hora de puxar. Respeite sua condição física e siga o progresso gradativo que o organismo necessita.


Written by Felippe Maranhao

April 9th, 2014 at 11:08 pm

Posted in Bem-Estar,Corrida

Salomon para Trail Running. #RunningBrands

without comments

Se você está viciado em Trail Running como eu estou, precisará de alguns novos itens nos equipamentos de corrida. O principal item é um novo tênis com solado e acabamento mais resistente daqueles tênis convencionais de corrida no asfalto.

Eu tenho um New Balance muito bom, que inclusive escrevi sobre ele aqui no blog, mas sempre tive vontade de ter um Salomon que é umas das marcas top de linha da modalidade. Estou escolhendo os modelos para comprar e testar, mas os preços são salgados, portanto, antes de adquiri-lo vou me firmar nas provas para depois fazer o investimento.

Todos os três modelos abaixo são de trail running, porém, existe alguma diferença no solado entre eles e principalmente no preço. Veja alguns detalhes:

Salomon Speedcross 3: É o modelo top de linha da Salomon. Custa 529,90 e é indicado para as provas com maior quilometragem e principalmente com terreno mais acidentado. Nas corridas de aventura que contém trechos de travessia em rios e similares, tem maior aderência nas rochas dentro dos rios por causa do solado com “dentes” maiores de borracha. O cadarço é de elástico e facilita bastante na hora de vestí-lo ou tirá-lo rapidamente.

Salomon XR Mission: É um modelo intermediário entre o Speedcross 3 (acima) e o Sherbrooke (abaixo). Custa 399,90 e é indicado para terrenos ainda com detritos na pista, porém, já não trará tanta segurança dentro da água por não ter “dentes” de borracha tão grandes como o Speedcross 3 no solado. Em compensação, para trechos com terra batida ele se prenderá menos no solo e exigirá menos esforços físicos para correr. Cadarço de elástico para facilitar por e tirá-lo.

Salomon Sherbrooke: Também com sola mais “lisa” que o Speedcross 3, já não vem com cadarços de elástico (não recomendável para provas com transição) e não seu acabamento não é tão flexível quanto os anteriores, portanto, entrar num rio com ele o tornará mais pesado. Recomendado para terrenos de terra batida sem muitos detritos. Custa R$ 299,90. Um ótimo tênis para iniciar nas corridas de aventura.

________________________________________

Minha dica: Antes de comprar a marca, procure ir até uma loja especializada e fazer os testes de pisada e verificar se é confortável para você. Existe outras marcas tão boas no mercado como Timberland que é sempre bom dar uma passada na loja. Aconselho ir até a loja da Timberland na rua Oscar Freire, no Jardins, em São Paulo. Há sempre uma grande variedade de produtos e vendedores especializados em corridas de aventura.


Written by Felippe Maranhao

April 6th, 2014 at 10:56 am

Posted in Adventure

Faça sua inscrição para O Rei da Montanha 2014 e corra conosco!

without comments

11 de Maio é dia das Mães, sabemos disso, mas é também o dia do evento de trail running O Rei da Montanha! É uma corrida bem legal para quem quer ingressar nas corridas de trail e adventure, até porque é possível fazer distâncias desde 3k até 21k.

Tenho amigos que iniciarão sua jornada no mundo das corridas de rua fazendo essa corrida trail, portanto, se houver um trabalho bem feito previamente, é possível sim realizá-la! Não há o que temer, afinal, apesar do terreno um pouco mais acidentado do que é no asfalto e das subidas constantes, se acertar nos treinos de força vinculados com os treinos de resistência, dá pra fazer tranquilo a prova.

Se você fizer agora a inscrição (link no final do post), é possível treinar 4 semanas completas focado nesta prova, ou seja, é um mini ciclo de treinamento com a meta na montanha em Sabaúna, Mogi das Cruzes.

Meu amigo Marco, que fará sua estréia, deu uma ótima dica para quem quer treinar ladeiras (tiros em ladeiras) em terreno acidentado: DIB – pedreira desativada em São Paulo, exatamente na Serra da Cantareira, para fazer uma sessão de treino simulando as ladeiras das montanhas de Sabaúna. Eu tinha dito para ele que faríamos uma sessão de treinos em ladeira para força, mas minha sugestão inicial era na USP, como faço periodicamente. Mas é asfalto e essa dica do Marco foi muito bem aceita. Faremos uma sessão de treino lá e tirarei fotos e filmarei para postar aqui no blog um pouco antes da prova em maio.

Já temos uma “equipezinha” formada para Sabaúna e esta corrida será um teste para futuras provas ainda neste ano de maior quilate. Caso tenha interesse em participar da corrida e ainda fazer parte da nossa equipe de amigos, faça sua inscrição (que é limitada) e encontre nos lá! Não vacile no período de inscrição, afinal, cada novo evento em Sabaúna têm aumentado o número de participantes consideravelmente.

Acesse este link e faça sua inscrição: http://www.minhasinscricoes.com.br/oreidamontanhaetapa1/2014/

Bora treinar agora!


Written by Felippe Maranhao

April 5th, 2014 at 9:00 am

Prática e conhecimento que ajudam a melhorar seu treino dia-a-dia.

without comments

Depois de 4 anos e 2 meses, volto a estudar forte a parte científica da prática de corrida de rua e tudo que envolve o esporte, como a fisiologia e biomecânica. Eu até já escrevi sobre muitas coisas científicas aqui no blog e até precisava fazê-lo por causa dos leitores que gostam de citações de livros e artigos científicos, mas quero amenizar meus textos com conteúdo maçante.

Vou tentar diluir as palavras dos autores pelas minhas não formais e a opinião de quem pratica o esporte e trabalha também. Dois assuntos que eu estava lendo agora no início dessa semana são sobre a importância de realizar exercícios complementares na corrida e a diferença entre utilização de “energia” nas modalidades de velocistas e de endurance.

É muito assunto pra pouco post pra falar a verdade, mas vou tentar chegar ao ponto que considero importante para você saber.

1. Exercícios complementares para corrida de rua.

É possível observar nos parques de todas as cidades do Brasil as assessorias de corrida com todo seu equipamento para suporte técnico ao corredor. Alguns se perguntam se tudo aquilo é realmente necessário, porém, não tem o interesse de perguntar para o treinador para o que aquilo tudo realmente serve.

Lendo sobre a história do treinamento de corrida pude verificar que a melhora da condição física do corredor e, consequente quebra de recordes em muitos mundiais e olimpíadas, foi devida a melhora gradativa da metodologia de treinamento. Isso não é novidade para ninguém que trabalha com esportes e para quem não trabalha com esportes, mas na modalidade corrida é possível justificar os meios a partir dos fins. Se pensarmos de uma forma jocosa, a prática de corrida, caminhada, marcha, etc; envolverá músculos principais que produzam energia para os atletas. Antigamente os atletas praticavam de forma incessante exercícios repetitivos de forma contínua e ininterrupta, causando uma limitação da performance do mesmo atleta.

Alguns atletas com conhecimento científico biológico desenvolveram pouco a pouco exercícios complementares que envolvem músculos “secundários” (vulgarmente falando) e que otimizam a performance do atleta em condições diversas durante um treinamento ou competição. Esses exercícios são os mesmos que o seu treinador pede para realizá-los na grama saltando obstáculos, educando seus movimentos com exercícios como Anfersen, por exemplo, entre muitas outras propostas cientificamente comprovadas como benéficas.

Cara, isso é um assunto muito longo pra falar a verdade. Diria que é apenas um prefácio do que eu quero falar, mas vou destrinchá-lo no decorrer dos posts.

2. Velocidade, Força e Endurance.

Ainda nas minhas palavras, resumindo, para cada tipo de treino você terá um tipo de energia para utilizar. Se você for um velocista (como os corredores de 400m), a velocidade de contração dos músculos será determinante para que você seja um esportista de sucesso. Esse é a principal característica desse tipo de esportista (é possível verificar na sua composição corporal que há muita massa muscular – hipertrofiada). Para os corredores de média e longa distância, outros fatores são mais importantes, como o suprimento de oxigênio, o acúmulo de metabólitos ou, em alguns casos, a disponibilidade de substratos energéticos. Para estes esportistas, força muscular e, portanto, tamanho, é muito menos importante.

Esse assunto (assunto 2) culminará na disciplina do esportista em se alimentar adequadamente para realizar um treinamento de média e longa distância com êxito. Digo tudo isso porque tive uma péssima alimentação no meu final de semana e muito pouco tempo de repouso e descanso (dormi pouco). Meu treino de segunda-feira passada foi limitado em intensidade e volume. Vamos conversar muito sobre isso aqui ainda!


Written by Felippe Maranhao

April 2nd, 2014 at 10:55 pm

Cinto de hidratação para treinos de longa distância.

without comments

Há algum tempo atrás eu escrevi sobre cintos de hidratação, mas nem lembro se foi nesse blog aqui ou em outro lugar. Só sei que fiquei procurando por um desses por um bom tempo, mas achei muito caro aqui no Brasil para adquiri-lo, e tive muita dificuldade em achar um pra falar a verdade. Procurei em todas as lojas físicas possíveis e imagináveis de esportes e não encontrei, e só fui encontrar nas lojas virtuais. Lembro que o preço de um cinto com 2 garrafas de cerca de 200ml a 300ml estava por volta de R$ 150,00. Foi pelo preço que desencanei e não comprei na época.

Mas viajando para fora do país encontrei esse modelo por U$ 55,00. Ok, não está barato, mas ele vem com 4 garrafas, ou seja, o dobro da capacidade do vendido aqui no Brasil pelo mesmo preço. Se você for pensar no custo/benefício, o cinto saiu pela metade do preço de um cinto da mesma capacidade aqui no Brasil.

Além do suporte para as garrafas vem uma mini pochete para carregar chave ou levar o Ipod, por exemplo, então ele tem a função de substituir uma pochete de neoprene caso você use nos treinos (pochetes como a da Track&Field)

O cinto tem o mesmo sistema de elásticos para ajustar à cintura assim como as pochetes de running tradicionais. O importante é que o cinto fica bastante fixo na cintura mesmo com todas as garrafas cheias, portanto, não há incômodo algum durante a sessão de treinamento.

O grande problema que eu tenho é a conversão dos valores OZ para ML. OZ é uma medida norte-americana para líquidos (volume) e significa Onça Fluida (não me pergunte o porque desta tradução bizarra) e cada garrafa contém o volume máximo de 9 OZ. Tentei fazer uma conversão rápida aqui na internet, mas não confiei nos valores de diferentes sites, então deixo para que vocês verifiquem essas informações por si só. A olho nu eu posso te afirmar que cada uma dessas garrafas é equivalente à média de 200ml.

Esse é um equipamento essencial para quem faz treinos de longas distâncias e não tem como carregar um squeeze ou não tem um suporte técnico durante o percurso para distribuir água, como acontece durante as provas. Não deixe de treinar longo por falta de hidratação – Compre um cinto de hidratação e não terá mais problemas de treinar sozinho!


Written by Felippe Maranhao

March 30th, 2014 at 10:12 pm

Trail Running: O Rei da Montanha 2014.

without comments

Pra começar as provas deste ano tô fechando com os amigos correr O Rei da Montanha em Sabaúna – Mogi das Cruzes/SP. A programação é correr acima de 10k (3k, 7k 14k e 21k – Faremos o trecho de 14k). Estava pensando antes em correr as 10 Milhas da Mizuno (16k), mas como nunca fiz essa prova do Rei da Montanha, me parece mais atrativo para este primeiro semestre.

Estamos formando uma equipe de amigos, mas sempre é bem-vindo um novo integrante, afinal, ajudar um ao outro no incentivo durante a prova sempre é uma boa coisa e torna a prova bem legal. Por mais que não tenha competição entre nós participantes, é sempre saudável comparar a performance entre cada um de nós, além de compartilhar as fotos do evento depois.

Caso você participe da mesma prova, não deixe de me avisar porque trocamos ideia e ajudamos um ao outro.

Maratona Bertioga/Maresias em Outubro

Ainda está programado a participação na maratona Bertioga-Maresias em Outubro, portanto, estamos fechando 2 equipes para percorrer os 72k da prova no litoral paulista. Quer fazer parte da nossa equipe? Me envie um e-mail para nos comunicarmos: felippe@prorunning.com.br


Written by Felippe Maranhao

March 27th, 2014 at 11:05 pm

Posted in Adventure

Modelos de tênis barato para começar a correr. #RunningBrands

without comments

Nada de Nike Shox pra correr, certo! Não foi feito para isso e pra falar a verdade já está até fora de moda até mesmo para usar casualmente. O negócio é comprar um tênis específico para correr, e ele deverá ser só para corrida mesmo, entendeu?

Quando era estagiário era difícil ter um tênis para correr somente. Digo, só colocá-lo para treinar e não para usar no dia-a-dia, mas o tempo passa e a gente ganha crédito no cartão e principalmente, os tênis ficaram mais em conta. Na verdade não foram os tênis que ficaram mais em conta, mas foram novos modelos que surgiram para atingir todos os públicos e todas as classes sociais.

Ficou mais fácil de encontrá-los também, porque as lojas virtuais facilitaram nossas vidas podendo assim ver todas as suas características pela net, além de escolher diversas cores do mesmo modelo, etc, etc, etc. É muito fácil: entre na Netshoes e escolha pela marca, ou modalidade ou o mais legal, a faixa de preço que pretende gastar por eles.

Fiz uma busca simples pelo preço e “garimpei” 4 modelos abaixo que são ótimos para iniciar as práticas de corrida de rua. Procurei algumas marcas especializadas na modalidade e bem conhecidas aqui no Brasil.

Qualquer um desses modelos já está de bom tamanho para começar. Não tem desculpa de falar que não tem dinheiro porque hoje tudo é muito fácil de comprar parcelando no cartão, ou seja, pense no seu bem-estar e saúde e largue mão de um tênis casual ou um rodado demais e mantenha sempre um bom par de tênis novos para correr.

Asics Gel Contend 2 – R$ 199,90

Mizuno Crusader 8 – 179,90

Adidas Bree101 – 179,90

Nike Flex Experience RN 2 MSL – 199,90


Written by Felippe Maranhao

March 26th, 2014 at 9:04 pm